blog

Fuji X Passion

[ENGLISH] The April 2018 issue (issue number 22) of the Fuji X Passion magazine includes an article I wrote on street photography and also some of my street photographs. The article describes my outlook on street photography. 

[PORTUGUÊS] O fascículo de abril de 2018 (número 22) da revista Fuji X passion inclui um artigo meu sobre fotografia de rua. O artigo, que foi escrito a convite dos editores da revista, descreve minha visão pessoal sobre fotografia de rua. 

fujixpassion-cover_april-2018.png

Matt Stuart

[ENGLISH] Matt Stuart is a British street photographer. He is the author of All That Life Can Afford, a book that includes photos he made in London between 2002 and 2015. I have already mentioned him in this blog (see my post on the FFF system). In a recent interview he was asked the following question: "You work a lot in London, a place you’ve lived for decades. Are you inspired by shooting in the same places over and over again? Is there something about the repeat visits that is integral to your way of working?" His answer: "These days I’m not working in London as much—although I do feel that a degree of repetition is helpful to truly discover a wonderful place, the flow of people at different times, the light, the seasons." I too like to visit the same place several times. I always discover new things when I go to the same place several times. Finally, in encourage you to visit Matt Stuart's web page.

[PORTUGUÊS] Matt Stuart é um fotógrafo de rua britânico. É o autor do livro All That Life Can Afford, que reúne fotos que ele produziu em Londres entre 2002 e 2015. Eu já o mencionei nesse blog (ver minha postagem sobre o sistema FFF). Em uma entrevista recente perguntaram-lhe sobre a importância de fotografar várias vezes no mesmo local. Ele respondeu que gosta da repetição. Afirmou que a repetição é muitas vezes é útil para que se explore um dado local adequadamente. Eu recomendo uma visita à página web do fotógrafo Matt Stuart.   

 Photo/Foto: Matt Stuart. 

Photo/Foto: Matt Stuart. 

 

 

Editing street photos with Darktable

[ENGLISH] A video that I produced in late 2015 on editing street photos using Darktable was recently featured in the Fuji X Passion web page. The link: 

https://www.fujixpassion.com/2018/03/14/darktable-powerful-underrated-lightroom-substitute/

[PORTUGUÊS] Um vídeo que eu produzi no final de 2015 sobre tratamento de fotos de rua com o software livre Darktable foi destacado no Fuji X Passion. O link: 

https://www.fujixpassion.com/2018/03/14/darktable-powerful-underrated-lightroom-substitute/

My outlook on street photography

[ENGLISH] I was recently interviewed by Street Photography Magazine. They published the interview and selected me to be the featured photographer for the week. The interview can be found here and is reproduced below. 

What drew you to street photography initially?

I am fascinated by people, by human nature, by human diversity. Richard Powers, a celebrated American novelist, once said that the purpose of art is to remind us that there are an infinite number of options that we haven’t even considered yet. By observing people in the streets and by photographing them I am reminded that there are many options that I never considered, or even conceived. That’s what drew me to street photography.

How would you describe your street photography style?

The city is a mess. What interests me is the individual. I always try to isolate a single person or a small number of people in the frame. Urban solitude is my favorite subject in street photography. That’s what I try to explore. Loneliness in urban environments fascinates me. It does so because we are intrinsically lonely. We typically hide that solitude behind small talks, cell phones and superficial relationships. However, past all of that, we are alone. The main challenge we face in life is how to deal with that solitude. That’s what I investigate through street photography.

I love the way you capture people. What do you think it takes to make sure your images include the “human element”?

The individual. That’s what matters to me. I am not interested in crowds. I look for interesting people in interesting situations. Sometimes I follow a person for a few blocks, I observe him/her, I try to predict what he/she will do, and I wait for the right moment to make the photo. I do not shoot in burst mode; it’s always a single click. It is not easy to produce a meaningful image. Everyday we see hundreds of uninteresting images, images that don’t tell a story, images that reveal nothing about human nature or the human condition. My goal is to produce meaningful images. If I can only produce a dozen of meaningful images in a given year, be it. Ansel Adams once said that twelve significant photographs in any one year is a good crop. I agree with him. That holds true even in the digital age.

I love this imageCan you tell us about it?

That image was produced in Recife, Brazil. That’s where I live. I was doing some street photography downtown when a small group of people who are committed to some local traditions started singing and dancing among the people who were walking by. There were many people walking around and over a dozen of local artists singing and dancing. As I noted earlier, my interest lies in the individual, not in crowds of people. I then tried to capture one artist and one person who was walking around and seemed uninterested in what was going on. That’s what I tried to capture.

You have a lot of pictures with people staring at their phones. Is there some meaning behind those images (other than the fact that it is a common sight nowadays)?

Yes, there is: Urban solitude. Nowadays we hide our inherent solitude behind cell phones and social media. The illusion that we are never alone is the king of all illusions. That’s what I try to capture in my images.

What has street photography taught you?

Street photography has taught me that diversity should always be appreciated. The city is full of people who think differently, who have different outlooks on life, who have different life stories; and that’s fine. There is no “one size fits all” when it comes to life. Street photography has also taught me that there are an infinite number of options that I have never even considered.

[PORTUGUÊS] Eu fui recentemente entrevistado pela Street Photography Magazine e selecionado para ser o fotógrafo em destaque da semana. A entrevista (em inglês) pode ser lida aqui

John Free on discipline in street photography

[ENGLISH] I recommend the video below in which John Free talks about the importance of discipline in street photography. Two lessons: (i) you cannot control your creativity, but you can control your discipline, (ii) always try to be precise and rational before trying to be artistic. Additionally, good street photography has three main elements according to him, namely: 1. full frame (i.e., never crop your images), 2. good use of the available light, and 3. candidness. He also points out that he shoots black and white because in his opinion colors tend to be more distracting than helpful in street photography. He offers a piece of advice: avoid easy shots and clichés and try not to repeat yourself. 

[PORTUGUÊS] Eu recomendo o vídeo abaixo em que o fotógrafo John Free aborda um tema importante: a importância da disciplina na fotografia de rua. Duas lições: (i) você não consegue controlar sua criatividade, mas pode controlar sua disciplina, (ii) sempre tente ser preciso e racional antes de tentar ser artístico. Adicionalmente, a boa fotografia de rua é baseada em três elementos, a saber: 1. Imagem completa (i.e., nunca corte/crop suas imagens), 2. bom uso da luz disponível e 3. espontaneidade. Ele também coloca que fotografa em preto em branco porque entente que na fotografia de rua as cores costumam ser mais um foco de distração do que um elemento útil de composição. O fotógrafo nos oferta três conselhos importantes: evite fazer fotos fáceis, evite clichés e tente não se repetir. 

Fujifilm film simulation in Darktable

[ENGLISH] In the video below I show how to use Fujifilm film emulation in Darktable, the RAW developer I use. 

[PORTUGUÊS] No vídeo abaixo (em inglês com legendas em português) eu mostro como realizar emulações de filmes Fujifilm no Darktable. Eu utilizo o Darktable para tratar meus arquivos RAW. 

Thorsten von Overgaard

[ENGLISH] "I don't think about what I photograph, but when I analyze my pictures what I look for are people and light." --Thorsten von Overgaard

Thorsten von Overgaard's web page: http://www.overgaard.dk

[PORTUGUÊS] "Eu não penso sobre o que fotografar, mas quando analiso minhas fotografias o que busco são pessoas e a luz. " --Thorsten von Overgaard

Página web do fotógrafo Thorsten von Overgaard: http://www.overgaard.dk

 Thorsten Overgaard

Thorsten Overgaard

Romualdas Pozerskis

[ENGLISH] Romualdas Pozerskis is a Lithuanian photographer born in 1951. He is a member of the Lithuanian Photo Art Union. I recommend you take a look at his photographs. 

[PORTUGUÊS] Romualdas Pozerskis é um fotografo lituano nascido em 1951. É membro da Lithuanian Photo Art Union. Eu recomendo que você pesquise sobre ele e aprecie sua produção fotográfica. Suas fotos são impactantes e ricas em carga emocional. 

 Photo / Foto: Romualdas Pozerskis

Photo / Foto: Romualdas Pozerskis

Nick Rains

[ENGLISH] Travel photographer Nick Rains on shooting monochrome travel photography: 

 Photo / Foto: Nick Rains

Photo / Foto: Nick Rains

"Monochrome travel photography is really about my own work rather than my commercial work. I shoot color to satisfy the clients and I shoot black-and-white to satisfy myself. Very little work in black-and-white gets published these days, which is a great pity, unless you’re having a fine art exhibition or something. Color is what is always required by commercial clients but to please myself, and at the end of the day you have to do some photography for yourself, I much prefer black-and-white with its limits of just textures and shapes. The color is often a distraction for me."

Nick Rains's web page:   https://www.nickrains.com

[PORTUGUÊS] A opinião do fotógrafo Nick Rains sobre fotografia de viagem monocromática: 

"A fotografia de viagem monocromática está essencialmente ligada a meu trabalho autoral, e não a meu trabalho comercial. Eu fotografo em cores para satisfazer meus clientes e em preto e branco para minha satisfação. Nos dias atuais poucos trabalhos em preto e branco conseguem ser publicados, a não ser que se trate de uma exposição artística, o que é uma pena. O mundo comercial demanda imagens coloridas, mas no que tange à minha satisfação -- e é importante produzir fotografias para satisfação pessoal -- eu sempre prefiro o preto e branco, com seus limites de representação apenas por texturas e formas. As cores geralmente constituem apenas uma distração."

Página web do fotógrafo: https://www.nickrains.com

Recife Image

[PORTUGUÊS] Em de 20 de julho de 2017 eu proferirei uma palestra sobre fotografia autoral e de rua no Recife Image, um grande congresso de fotografia a ser realizado no Centro de Convenções do Recife.  Ver https://www.recifeimage.com/palestrantes/francisco-cribari/ 

Página do evento: https://www.recifeimage.com/ 

No vídeo abaixo eu falo sobre o evento e sobre minha palestra. 

[ENGLISH] I will give an invited talk on street photography at Recife Image, a large photography conference that will be held in Recife, Brazil (July 20 and 21, 2017). 

Antanas Sutkus

[ENGLISH] Antanas Sutkus is Lithuanian photographer born in 1939. He co-founded and presided the Lithuanian Association of Art Photographers. His photographs are of excellent quality. His web page: http://www.antanassutkus.com/

[PORTUGUÊS] Antanas Sutkus é um fotógrafo lituano nascido em 1939. Foi um dos fundadores da Sociedade de Arte fotográfica da Lituânia. Alguns o qualificam como "O Henri Cartier-Bresson da União Soviética". Uma de suas afirmações resume bem a fotografia documental e de rua: "O dia a dia é universal, ele não se sujeita a ninguém." Sua produção fotográfica é de excelente qualidade. Eu tive o prazer de visitar uma de suas exposições itinerantes em 2013 e senti-me profundamente impactado pelas fotografias que lá apreciei. Sua página web: http://www.antanassutkus.com/

 Photo / Foto: Antanas Sutkus. 

Photo / Foto: Antanas Sutkus. 

Why I photograph in black and white

[ENGLISH] I was asked by the editor of PBMAG, a Brazilian magazine specialized in black and white photography, why I most of my photos are monochromatic. I then wrote the text below (in Portuguese).

[PORTUGUÊS] No texto abaixo, publicado na revista PBMAG, eu explico por que fotografo em preto e branco. 

Por que eu fotografo em preto e branco

Francisco Cribari
http://cribari.com.br

Eu faço primordialmente fotografia de rua e documental. Ocupo-me, assim, da vida como ela é, da vida como se desenrola cotidianamente, sem disfarçes ou vernizes. Esse é o tema que me encanta e que me move: o ser humano, seu comportamento e suas interações. Encanta-me o que é verdadeiro, o que tem lastro na complexa e nuançaca humanidade que nos habita e que nos define. Passada a camada de vernizes, de projeções pessoais e sociais, dos disfarces, dos habituais mecanismos de defesa e de nossa incessante busca por conformidade há nossa humanidade. Rica, contraditória, cravejada de nuances. É preciso, assim, atravessar uma camada de distrações para alcançar o essencial, o fundamental. De forma análoga, a fotografia contém algo essencial: conteúdo, composição e uso da luz disponível. Essa trindade é, para mim, a essência fotográfica, é o que costuma chamar "tutano fotográfico". É ela que me toca, que conversa comigo sem intérpretes ou inócuas adjetivações. Para alcançá-la, opto por abrir mão das camadas que nos separam. Em especial, abro mão daquilo que chamo de "verniz fotográfico", daquilo que constitui a camada mais imediata da imagem, daquilo que tem o poder de nos seduzir e dominar nossa atenção: as cores. Como sabemos, nosso cérebro se ocupa primeiramente do processamento de cores para só então processar formas. Nossa atenção imediata privilegia certas cores. Ela, mesmo que por instantes infinitesimais, mergulha em encantamentos proporcionados por matizes e saturações. Distanciamo-nos, assim, daquilo que releva, daquilo que para mim constitui o essencial, do diálogo sincero e direto travado pelo conteúdo, pela composição e pela luz. É esse o diálogo que me toca e que me move. Ele é meu destino e meu refúgio. Pouco interesse mantenho em prefácios, prelúdios, vernizes e encantamentos. Essa é a razão primordial por que o preto e branco domina minha fotografia.

Há, em caráter acessório, duas outras razões. A primeira envolve o uso da imaginação. Nada somos sem nossa capacidade de imaginar, de abstrair, de criar a partir de abstrações, de estabelecer associações, de unir o real ao imaginário. A fotografia em cores possui caráter literal na medida em que fornece uma descrição completa da cena. Pouco alimento deixa para nossa imaginação, para nossas reconstruções subjetivas, para o deleite de nossa imaginação. Em contraste, na fotografia monocromática nossa imaginação é convidada a revisitar a cena, a reconstruir as informações faltantes, a criar um diálogo entre o real e o imaginário. Como alguém já colocou -- e com propriedade --, apreciar uma fotografia colorida é como assistir a um filme ao passo que a apreciação de uma fotografia em preto e branco mantém relação com a leitura de um livro. Ao me deparar com essa analogia lembrei imediatamente do enorme e indescritível prazer que senti ao ler Anna Karenina, obra fundamental do escritor russo Liev Tolstói. Lembrei da forma como imaginei os traços físicos do conde Alexei Vronsky, de como imaginei os gestos de inquietude da protagonista da história, de como perambulei pelas indecisões da princesa Kitty e pelos conflitos existenciais de seu pretendente, Konstantin Levin. Que banquete para qualquer imaginação inquieta e fértil! Logo em seguida lembrei das versões do livro para a grande tela. Ali tudo me foi dado, tudo me foi entregue, tudo foi descrito, pouco foi deixado para minha imaginação. Só o livro me marcou, só nele realmente dialoguei com a história enquanto a degustava.

A segunda razão acessória pela qual o caráter monocromático domina minha fotografia reside na ânsia que mantenho em criar algo que seja separado da realidade, mesmo que parcialmente, em gerar algo que contenha entidade própria. Concordo, assim, com o fotógrafo norte-americano Aaron Siskind, que certa vez afirmou que ao produzir uma fotografia deseja que ela seja um objeto novo, completo e autocontido. A remoção da referência às cores, como notado pelo fotógrafo David Edelstein, contribui para que as fotografias se tornem objetos novos, fazendo-as ir além da mera descrição do mundo.

Em resumo, o preto e branco, em sua abstração, seduz nossa imaginação e não nossa atenção imediata. Oferta território fértil para o exercício de nossa imaginação, abre uma porta para um mundo novo, para um mundo em que realidade e irrealidade coexistem harmonicamente. O preto e banco nos conduz diretamente ao tutano fotográfico, aos elementos essenciais de uma fotografia. Distancia-se do mundo que retrata em alguma medida, buscando constituir objeto novo, uma entidade não escravizada pela realidade que lhe deu origem.

Link: http://pbmag.com.br/por-que-eu-fotografo-em-preto-e-branco/

 

FFF

[ENGLISH] According to Matt Stuart, there are three different approaches to street photography, and they all start with an "F": (i) Fishing, i.e., find an interesting place and wait there for something interesting to happen, (ii) Following, i.e., find interesting characters and follow them, and (iii) Fuck, i.e., walk around with the right camera settings to capture something interesting you notice in a fraction of second. 

Matt Stuart's web page: http://www.mattstuart.com 

 Photo / Foto: Matt Stuart

Photo / Foto: Matt Stuart

What makes a good photograph?

[ENGLISH] What makes a good photograph? According to photographer Craig Semetko, the key element of an outstanding photograph are: (i) Design ("D"), (ii) Intelligence ("I"), (iii) Emotion ("E"), and (iv) Timing ("T"). He ranks emotion as the most important of all four elements followed by intelligence. When you produce a photograph that has three or even all four elements listed by Mr Semetk you know you produced an outstanding photograph. 

2016

[ENGLISH] The video below contains some of the photos I made in 2016. 

[PORTUGUÊS] O vídeo abaixo contém algumas fotografias que eu produzi ao longo de 2016. 

Grain: Imperfection is beauty

[ENGLISH] Street photographer Eric Kim has recently made the following claim on why several photographers add grain to their digital photographs: "I think one of the biggest reasons why we love grain, the look and aesthetic of film, is because imperfection is beauty." He goes even further: "With most modern digital cameras, the photos are too crisp. Too sharp. Too perfect." I partially agree with him and I note that grain adds texture to the image. Photographer Sebastião Salgado, for instance, always felt that modern digital imagens are too flat, that they lack volume and texture. When he started shooting with digital cameras, he hired a French company to develop for his digital images the same grain he used to have in this film photographs, which were mostly shot using the Tri-X film. Finally, I note that grain looks better on print than on images viewed on computers and mobile devices screens. 

[PORTUGUÊS] O fotógrafo de rua Eric Kim recentemente afirmou, ao comentar sobre o uso de grão em imagens digitais, que gostamos da estética granulada das imagens analógicas porque imperfeição é beleza. Para ele, as imagens produzidas pela maioria das câmeras digitais modernas tendem a ser excessivamente nítidas e excessivamente perfeitas. Eu concordo parcialmente com suas colocações e noto que o grão adiciona textura às imagens. O fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado sempre achou as imagens digitais muito planas, sem volume e sem textura. Quando de sua migração para o mundo digital, ele contratou uma empresa francesa que desenvolveu para suas fotografias digitais o mesmo grão que suas imagens analógicas costumavam ter quando ele usava o filme Tri-X. Por fim, noto que o grão é visualmente mais agradável em imagens impressas que em imagens visualizadas em telas de computadores e dispositivos móveis.   

 Photo / Foto: Francisco Cribari. 

Photo / Foto: Francisco Cribari. 

Eli Reed

[ENGLISH] Eli Reed was the first black photographer to work full-time for Magnum. He is an outstanding photojournalist. Over the years he produced excellent photographs. I am attaching my favorite one to this post.

[PORTUGUÊS] Eli Reed foi o primeiro fotógrafo negro a ser empregado em tempo integral pela agência Magnum. Ao longo dos anos ele produziu imagens da mais elevada qualidade. Estou anexando abaixo minha foto favorita dentre todas as fotos que ele produziu (ou, ao menos, dentre as que conheço).

 Photo: Eli Reed. 

Photo: Eli Reed. 

David Edelstein

[ENGLISH] David Edelstein is a photographer based in Seattle, Washington. His images have been said to contain an abstraction of reality. In a recent interview he was asked why he chose black and white for his street photography. His answer: "Well, the short answer is that I love black and white. The longer answer is that I like to shoot in black and white because it isn’t how the world looks. I agree with what Aaron Siskind said: “When I make a photograph I want it to be an altogether new object, complete and self-contained.” Removing the literal reference of color helps me to make my photos new objects, instead of just describing the world."

[PORTUGUÊS] David Edelstein é um fotógrafo de rua que reside em Seattle, Washington. Suas imagens já foram descritas como a abstração da realidade. Em uma entrevista recente ele foi perguntado sobre por que escolheu o preto e branco para suas fotografias de rua. Sua resposta: "Bem, a resposta curta é que adoro preto e branco. A resposta longa é que eu fotografo em preto e branco porque o mundo não é dessa forma. Eu concordo com o Aaron Siskind, que disse que quando produz uma fotografia ele quer que ela seja um objeto novo, completo e auto-contido. A remoção da referência às cores contribui para que minhas fotografias se tornem novos objetos, ao invés de serem uma mera descrição do mundo." 

 Photo: David Edelstein. 

Photo: David Edelstein. 

PBMAG Exhibition

[PORTUGUÊS] Participarei, ao lado de excelentes fotógrafos, da Mostra PBMAG de fotografia em preto e branco nos dias 3 e 4 de dezembro de 2016. O evento se insere no São Paulo Photo Weekend. Endereço: Rua Fidalga, 184 - São Paulo/SP. 

Mostra PBMAG, São Paulo/SP, dezembro de 2016