ABOUT ME

About me

ENGLISH: Francisco Cribari is a freelance photographer specialized in street photography and portraits who lives in Recife, Brazil. He is also a baroque music and Linux enthusiast. His passion for photography started in the late 1970s when he studied at Imagem and Ação (São Paulo, Brazil). He studied street photography with Thomas Leuthard (three courses), among others. He was also a student in the Masterclass on Portrait Photography taught by Marcio Scavone. His main subject are people, be it on studio (fashion photography) or on the street (street photography). There is no richer subject to be explored. Our humanity is full of contradictions and nuances to be explored. As the writer Richard Powers once put it, "the purpose of art is to remind us that there are an infinite number of options that we haven't even considered yet." This is also the purpose of photography at large and that is what he tries to reflect in his photos. Photography is a form of art and its purpose is to remind us that life becomes more interesting and fruitful when we realize many paths diverge in the woods, that an infinite number of options lie ahead of us. One of his photos was awarded a second place prize in a 2013 Brazilian nature photography contest ("Olhares sobre a Mata Atlântica"). In December 2013, 40 of his street photographs were shown in a solo photography exhibition at the Espaço Santa Rosa art gallery (Recife, Brazil). The exhibition was entitled "Streets: reality and poetry". He has also taken part in several group exhibitions. One his photographs was selected in a worldwide contest on sports photography ("Objectif sport!") and was part of a photography exhibition in Paris, France (2016). In November 2014 he was one of three photographers to take part in the event "Photographic Dialogues" (in João Pessoa, Brazil). In that event, some of his street photos were displayed and he taught a workshop on street photography. He was a keynote speaker at some important photography conferences, such as Congresso Nacional de Arte Fotográfica (CONAF) and Recife Image 2017. 

PORTUGUÊS: Francisco Cribari é fotógrafo freelancer e mantém paixão pela fotografia desde o final da década de 70, quando estudou na escola de fotografia Imagem e Ação, em São Paulo. Costuma frequentar cursos e workshops temáticos sobre fotografia, como, por exemplo, fotografia de casamento (com Fernando Azevedo - PE), fotografia de casamento artística (com Frankie Costa - SC), fotografia de moda (com Ana Oliveira - SP), retratos (com Jorge Bispo - RJ), flash (com Leo Neves - SP), esquemas de iluminação com flash dedicado (com Leo Neves - SP), luz e iluminação de estúdio (com Flávio Demarchi - SP), iluminação de estúdio e direção de modelos (com Elvio Luiz - PE), fotografia atrtística/poéticas visuais (com Inaê Coutinho - SP), HDR (com Bel Saffe - BA), fotografia de objetos (com Flávio Demarchi - SP), fotografia em preto e branco (com John Batdorff - USA), fotografia de paisagens (com Rob Sheppard - USA), fotografia de rua (com Thomas Leuthard - Suíça), nu artístico (com Yogue Alencar - SP e Andrea Laz - Alemanha), composição (com Thomas Leuthard - Suíça), composição (com Armando Vernaglia Jr - SP), fotografia em estúdio (com Carlos Fortunato - PR), fotografia com software de código livre (com Riley Brandt - Canadá), fotografia sensual e nu artístico em estúdio (com Carlos Fortunato - PR), folhas de contato (como trabalhar a cena) em fotografia de rua (com Thomas Leuthard - Suíça), entre outros. Foi aluno da Masterclass de Retrato ministrada pelo fotógrafo Marcio Scavone (SP). Seu assunto favorito na fotografia são pessoas, seja fotografia de moda em estúdio sejam registros cândidos de pessoas em locais públicos. A ênfase central de sua produção, contudo, é a fotografia de rua. Seu objetivo é a busca da expressão artística. Como nos lembra o escritor norte-americano Richard Powers, o propósito da arte é nos lembrar que existem infinitas opções e caminhos que jamais consideramos. São opções, escolhas, caminhos que sempre nos foram estrangeiros. O papel da fotografia como arte é nos colocar em contato com tal território estrangeiro, é transportar-nos para vidas e realidades alheias, é alargar nossa concepção do mundo. Sua obra fotográfica buscar espelhar a diversidade humana e, em nível mais profundo, tocar naquilo que nos une em meio a tanta diversidade, naquilo que é elemento marcadamente comum, qual seja: nossa humanidade. Ao largo, somos menos diferentes daqueles para quem olhamos do que gostaríamos muitas vezes de acreditar. Nossa humanidade, com todas as suas sutilezas e nuances, com todos os seus aspectos claros e negros, é o que nos define. E é em busca dela que a fotografia deve ser exercida. Uma de suas fotos foi premiada em segundo lugar em 2013 no concurso de fotografia de natureza "Olhares sobre a Mata Atlântica". O fotógrafo já participou de várias exposições coletivas (inclusive na Oficina Cerâmica Francisco Brennand, Recife/PE e na Estação Cabo Branco, João Pessoa/PB) e fez uma exposição individual com 40 fotografia de rua na galeria Espaço Santa Rosa (Recife, PE). Sua exposição individual foi intitulada "Rua: realidade e poesia". Foi premiado num concurso internacional de fotografia sobre esportes ("Objectif sport!"), tendo participado da exposição das fotos vencedoras em Paris entre 5 de julho e 9 de setembro de 2016. Foi o palestrante do evento "Olhar sobre Brennand" realizado na Oficina Cerâmica Francisco Brennand (Recife) em maio de 2014, quando falou sobre "A fotografia como arte". Em Novembro de 2014, integrou o evento "I Diálogos Fotográficos" em João Pessoa, juntamente com Rizemberg Felipe (MG) e Nilmar Lage (MG). No evento, expôs alguns de suas fotos de rua e ministrou um workshop sobre fotografia de rua. Foi um dos palestrantes convidados do Congresso Nacional de Arte Fotográfica (CONAF), realizado em abril de 2015. Foi um dos palestrantes do Recife Image 2017, o maior congresso de fotografia do Nordeste do Brasil. Foi um dos fotógrafos destacados no primeiro número número da revista PBMAG, uma revista especializada em fotografia em preto e branco. Foi membro da comissão julgadora do concurso fotográfico “Climat, état d’urgence", promovido pela Aliança Francesa, em junho de 2015. É membro da ARFOC-PE (Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos de Pernambuco). A obra do fotógrafo encontra-se exposta em sua página: http://www.cribari.com.br .

That's me doing what I love the most: street photography. "If your pictures aren't good enough, you aren't close enough." --Robert Capa / Photo: Wolfgang Besche.